Ouça nossos
samba-enredo

Notícias

Portela divulga a sinopse do enredo da Portela para o Carnaval 2017

08/07/2016

 

SINOPSE 

 

FOI UM RIO QUE PASSOU EM MINHA VIDA E MEU CORAÇÃO SE DEIXOU LEVAR

 

RESUMO

O rio inspira os homens. De suas águas, pescam o sonho e o conhecimento, colhem a história e o encantamento. O rio azul e branco nasce da fonte de onde se originam a vida e as culturas humanas. Prima matéria, a água doce está associada aos mitos de criação do universo das antigas civilizações, é a manifestação do sagrado nas religiões e a maior riqueza para as sociedades modernas. A Águia bebe dessa água cristalina em sua nascente, onde brota o bem mais precioso criado pela natureza. No berço do samba, o pássaro abençoa a passarela, leito do rio da Portela. Segue recolhendo a poesia de muitos outros rios, enquanto mantém o seu rumo. Atravessa a Avenida, lavando a alma de quem deseja ver o rio passar, saciando a sede de vitória, irrigando de alegria o povo que habita a beira do rio. Suas águas purificam o corpo, afogam a tristeza e renovam as forças a cada alvorada. Convida a conhecer seus mistérios, cruzando aldeias e povoados, cidades e países distantes.

O rio é velho e por ele correm muitas histórias, porque sempre esteve ali a guardar os segredos das águas que deram origem ao mundo. O rio é novo porque está sempre em movimento e nunca passa duas vezes pelo mesmo lugar. O rio não pode voltar. Ele segue em busca do seu destino. Nasce como um fio d’água, calmo e sereno, e continua para receber muitas contribuições em seu curso. Enquanto cresce, irriga e fecunda as margens de onde se colhe o alimento do corpo e da alma. Avança sobre a terra e não se deixa vencer pelas pedras que encontra no caminho. Passa inspirando canções e poemas, linhas e formas sinuosas. Em sua exuberância, desfila entre matas, plantações, casas humildes e mercados, do interior até chegar às grandes metrópoles e receber as imensas construções fincadas em suas margens. O homem e o rio estão ligados pelo corpo e pelo espírito. Os artistas, músicos e cantadores, arquitetos e escritores incorporam a alma do rio e refletem suas imagens. Aqueles que se entregam à devoção e murmuram suas preces, pedidos e promessas fazem procissões e oferendas, agradecidos pelos desejos atendidos. O homem tira a vida do rio. A vida é como um rio que corre em direção ao seu destino.

 

O DESFILE

 

ABERTURA

A nascente do rio guarda os segredos da criação do mundo. Surge generosa, na Avenida, encharcando a terra, fecundando o solo, despertando a natureza. Lugar de devoção de onde emana a energia criadora, a fonte dourada reflete as cores do sol, anunciando que vale ouro nosso bem mais precioso. A Águia encantada bebe a água sagrada e abençoa aqueles que respeitam os mistérios da fonte da vida.

O PASSADO É UM PRESENTE DO RIO

E muitos são os segredos que repousam no leito do velho rio. As antigas civilizações iniciaram seus processos de organização social com o crescimento das vilas, povoados e cidades. Tudo começou com o desenvolvimento das técnicas de agricultura, o que permitiu que as primeiras sementes fossem plantadas e germinassem, fixando a vida e o conhecimento nas terras férteis no entorno dos rios. Muitas eram extremamente avançadas e se organizavam em sociedades que impressionam pela sabedoria que detinham sobre as ciências. Ao mesmo tempo, cultuavam seus deuses e os mitos de criação a eles relacionados. No desfile da Portela, essas divindades representam as poderosas relações entre o homem e a natureza, principalmente com os rios. Definem culturas milenares, pois são ícones representativos desses povos até hoje. 

SERES DO RIO

Que outras histórias nos conta o rio? Dele emergem seres que seduzem por sua beleza, impõem respeito pela força ou por encantamento. O mito da Cobra-Grande, “mãe do mundo”, é um dos mais antigos e está presente em diversas culturas. Se muitos temem a gigantesca Boiuna, a serpente de olhos de fogo, alguns se deixam seduzir pela Iara, a bela sereia que enfeitiça os homens e os arrasta até o fundo do rio, de onde jamais voltarão. Lendários dragões que habitam e controlam as águas também são temidos e venerados. Entretanto, existem seres que não fazem parte do mundo sobrenatural. Os aguapés, delicadas plantas aquáticas que filtram as impurezas, podem se reproduzir velozmente em ambientes muito poluídos, matando os peixes e se transformando em praga. Já na “terra dos mananciais”, a ameaça vive em águas escuras que escondem o enorme crocodilo, réptil nativo de um país que o respeita e admira.

 

 

A VIDA PULSA NA BEIRA DO RIO

De onde vem o que é mais importante para viver? O que sustenta o dia a dia das populações ribeirinhas espalhadas pelo mundo? O corre-corre da vida daqueles que amanhecem todos os dias nas beiradas em palafitas, no “zum zum zum” das lavadeiras, no vai e vem das embarcações repletas de produtos a suprir os mercados, cruzando as águas que servem a todos, invade o rio da Portela.

Mudam-se famílias inteiras, levando outros sons e cheiros para onde existia o silêncio das matas e o burburinho do rio. Pintam de novas cores o contorno e avançam em todas as direções em busca de um pedaço de chão. Existem também aqueles que perdem o rumo e o rio. Mas o rio da Portela é doce e carrega as mágoas de quem sofre desengano por ter perdido um grande amor.

A ALMA DOS RIOS

Formas e cores. Sons e poemas. Se a alma que emana do rio inspira o desenho da catedral que repousa em sua margem, também escreve o romance que dá vida ao personagem que a habita. Ah, a alma dos rios também está na música que valsa nos salões e traduz o sentimento das águas calmas atravessando montanhas e florestas. Baila o rio azul, entre saltos e corredeiras, e a cada curva revela uma nova aventura. Conta a história dos índios que preferem morrer a ter que entregar as terras em que plantaram suas vidas. E o grito de resistência atravessa o tempo: enterrem meu coração na curva do rio. O sentimento de liberdade que flui na alma dos rios também ecoa da música negra norte-americana, ritmo e canto que se desprendem das margens e correm pelo mundo.

MEU CORAÇÃO SE DEIXOU LEVAR

Se um dia, que fosse por um único dia, o rio carregasse toda tristeza, se encheria de lágrimas para levar alegria a quem suplica ao Senhor para tornar-se um instrumento da paz. A barqueada atravessa o velho rio, onde os devotos navegam entre rezas e cânticos de fé.

Nessas águas azuis, encontram-se muitas culturas, histórias e credos, lendas e mistérios. Recebem, pelo caminho, orações e oferendas. Refletem o ouro das nascentes, que brilha no culto a Oxum, orixá das águas doces do rio, da riqueza, da prosperidade e da beleza. Arrastam o povo, cantando a música que só um rio pode inspirar. No altar do samba, rezam as pastoras e os pastores, como fiéis na santa missa da capela. Cobre a Sapucaí o manto azul e branco da Portela. Salve o rio, salve a Santa, salve ela!

Isabel Azevedo – Ana Paula Trindade – Simone Martins – Paulo Barros

parceiros

Portelão

Rua Clara Nunes 81, Oswaldo Cruz
Rio de Janeiro, RJ
CEP.: 21351-110

Secretaria:
+55 21 3217-1604

Bilheteria:
+55 21 3256-9411

Projeto Social:
+55 21 3217-7578

Barracão da Portela

Rua Rivadávia Correia, nº 60
Cidade do Samba barracão 03
Gamboa, Rio de Janeiro - RJ
CEP.: 20220-290

Telefone:
+55 21 2233-2284

Portelinha

Estrada do Portela nº 446
Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ
CEP.: 21351-050

Telefone:
+55 21 3352-5695